Scalene – Entrevista // Dia das Mães // Clipe de Amanheceu

scalene-kalangoatomico-destaque

Fala, Kalangada musical!!!

O pessoal da banda Scalene fez o favor de nos responder algumas perguntas óbvias. Galera muito da paz.

Confiram a entrevista.

1 – Como vocês definem seu estilo? Definições são pertinentes à vocês?


Nunca me apaguei a definições de estilo, pra qualquer que seja o artista. De qualquer forma, o mais usado pra definir o Scalene até aqui é Post-hardcore. O Real/Surreal, na prática nosso primeiro disco, abrange tantas influências que é complicado definir o nosso som. “Post-Hardocre” não serve pra descrever músicas como “Amanheceu”, “Silêncio”, “Anoiteceu”, “Milhares Como Eu”, “Surreal”, por exemplo.

2 – Como está a aceitação em nível regional e nacional do seu novo trabalho Real/Surreal?


Muito boa! Fizemos 32 shows de Agosto a Dezembro de 2013, a midia especializada tem nos dado um reconhecimento bem legal e desde o lançamento crescemos muito. Subimos vários degraus, o que era a intenção, mas ver e sentir acontecendo é outra história e muito gratificante.

3 – Apesar de saber do que se trata, teria como nos apresentar os conceitos envolvidos em Real/Surreal? Qual(is) foi(ram) a(s) música(s) mais gratificante(s) de ser terminada? 

Nunca revelamos todos os conceitos  envolvidos no disco porque uma das coisas mais interessantes é justamente as diferentes interpretações que cada ouvinte pode ter. Não tem uma interpretação obrigatória, na verdade, os próprios integrantes do Scalene tem percepções diferentes. São dois capítulos temáticos que narram a saga do personagem “Sonhador”. Tudo tem um motivo, a música “Marco Zero” por exemplo, tem esse nome porque é onde a “jornada” se inicia. As “cores” são metáforas para o que ele busca encontrar ou um estado de espirito que ele busca atingir e tem trechos da letra que se repetem em “A Luz e a Sombra”. Falamos de “dardos” na música “O Alvo” e depois novamente em “Branco”. Teria muitos outros exemplos, mas vai de cada um interpretar todas essas informações, alegorias e metáforas do seu próprio jeito. Não que para simplesmente ouvir e curtir o disco você precise saber disso tudo, todas as faixas são relevantes e fazem sentido fora do contexto do álbum completo.

4 – O conceito do novo Álbum Real/Surreal é muito interessante. Existem outras influências, além de Dexter, para esse disco? 

Dexter não chega a ser uma influência, o personagem do seriado que se encaixava no conceito do disco e como o lado “Surreal” é bem denso e abstrato pudemos falar dele de uma forma interessante.

5 – Quais são as bandas que vos influenciam nessa jornada? 

Apesar de estarmos sempre ouvindo coisas diferentes tem algumas bandas que formam a espinha dorsal do Scalene, não só pelas músicas, mas por todo o trabalho da banda e o que elas representam. Metallica, Thrice, Alexisonfire, Queens of the Stone Age são algumas delas. 


6 – Por fim, como surgiu a idéia para a produção do clipe de Amanheceu? Expliquem para galera do que se trata #ScaleneAmanheu. 

Desde ano passado falávamos em aproveitar a música para o Dia das Mães e não tinha porque ser uma homenagem feita só por nós. Pensamos em várias formas da galera fazer parte da criação do clipe e essa foi a
que nos pareceu melhor e mais possível de ser executada. 

Agora veja o resultado de #ScaleneAmanheu no clipe da bela canção Amanheceu.

Deixe seus comentários. Não esqueça de deixar um like e compartilhar.

Compartilhe ...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Google+Email this to someone