Vencedor de 3 dos 5 prêmios principais do Oscar, Moonlight é retrato da vida como ela é.

MV5BNzQxNTIyODAxMV5BMl5BanBnXkFtZTgwNzQyMDA3OTE@._V1_SY1000_CR0,0,674,1000_AL_

O cinema tem várias funções no plano sociocultural da humanidade. Entreter, refletir, emocionar e retratar a própria vida. Esse último ponto é onde Moonlight se destacava dos demais concorrentes ao Oscar de melhor filme. O filme de Barry Jenkis é quase um documentário. Seja pelos enquadramentos da câmera, pela narrativa ou pela história forte e absolutamente comum e real. O prêmio foi justamente por isso, pelo retrato da vida real que manifesta-se em cada minuto da projeção.

Dividido em três atos, seguimos a vida de Chiron, passamos por sua infância, adolescência e vida adulta. Somos testemunhas da vida dura e cruel de menino negro e pobre. Filho de uma viciada em crack, ele recebe afeto de um traficante (Mahershala Ali), sofre bullyng na escola e vai descobrindo sua homossexualidade no meio desse turbilhão de acontecimentos.

Moonlight não é um filme fácil de ser dirigido. Ele provoca engasgos e desce rasgando a garganta, pois é justamente isso que a vida nos provoca. O filme é um relato duro e poético sobre a vida de quem nasce nas periferias mundo a fora. Ancorado por atuações brilhantes, sem nenhum grande nome do cinema e o baixo custo da produção tornam tudo ainda mais verdadeiro e crível. O roteiro foi adaptado da peça de mesmo nome, seu principal trunfo é a história que segue de maneira lírica o desenvolvimento e as descobertas de Chiron. Um filme forte e intenso, que é impossível passar despercebido. Venceu categorias: filme, roteiro adaptado e ator coadjuvante para Mahershala Ali.

Compartilhe ...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Google+Email this to someone