Mais do mesmo.

elysium-kalangoatomico-destaque

Em 2009, o estreante Neill Blomkamp, tomou o mundo de assalto com seu Distrito 9, um filme que funcionava perfeitamente no contexto da crise  financeira que se espalhava pelo mundo e tirava o foco dos EUA, ao levar uma invasão alienígena para África do Sul. Tudo em sua estreia era satírico, impiedosamente critico e traçava um retrato do mundo da segregação social que vivemos hoje. O diretor passou a ser olhado como visionário e seu filme foi concorrente a vários Oscars.  elysium-kalangoatomico

Agora Blomkamp volta com Elysium. O diretor tem a disposição um elenco multinacional talentoso, prestígio, muitos milhões de dólares para gastar em produção e tudo isso para contar a mesma historia senhor Neill? Acompanhamos o futuro da humanidade, onde os ricos se mudaram para um planeta-nave chamado Elysium e a terra se tornou a morada dos trabalhadores indigentes. Toda a riqueza gerada por esse trabalho é usufruída pelos habitantes do espaço. Tudo muito parecido com o mundo de hoje, o mundo de 2009 e o mundo retratado em Distrito 9. Matt Damon é Max o homem que vai enfrentar “o sistema” com a ajuda de Spider (Wagner Moura) e enfrentar a tirania da ambiciosa Delacourt (Judie Foster). O elenco ainda conta com Alice Braga, Diego Luna e o sul-africano Sharito Copley.

elysium-kalangoatomico1

O roteiro não chega a empolgar, principalmente para aqueles que conhecem o trabalho de Blomkamp. No elenco Damon está normal, Foster repete pela milésima vez o papel de mulher durona e quem rouba a cena é mesmo Wagner Moura, seu Spider é alucinado, beirando a maluquice e perfeitamente crível. Elysium não é um filme ruim, pelo contrário, funciona perfeitamente e até faz refletir, só se enfraquece quando lembramos da expectativa gerada em torno de seu diretor e sua obra anterior.

elysium-kalangoatomico2

Compartilhe ...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Google+Email this to someone