Franquia vai ao passado buscando garantir o futuro.

X-Men-Dias-de-um-Futuro-Esquecido-2

Os X-Men tem uma vida curiosa no cinema, em sete longas (incluindo os dois solos do Wolverine) a cine série conseguiu ser um sucesso de público, alguns filmes foram bons de critica e o saldo final desses sete episódios é uma franquia  tão mal aproveitada quanto a pseudo franquia do Hulk e mais difícil de compreender que série dos filmes Jogos Mortais.  Deixe eu me explicar. Hulk possui dois filmes que são sequencia e não dialogam em nenhum momento, alguns dos sete filmes dos mutantes também. Assim como Jogos Mortais, essas idas e vindas no tempo aliadas ao fatídico final de X-Men 3: o confronto final, torna tudo complexo e muitas vezes sem nenhuma resposta plausível.

Buscando resolver parte dos problemas da franquia,  o roteiro de X-Men: dias de um futuro esquecido, une passado, presente e futuro, levando Wolverine de volta aos anos 70 para encontrar o Fera, o professor Xavier, o Magneto e a Mística, tudo para impedir a fabricação das Sentinelas em seu tempo “real”.

O que o filme tem de melhor é a parte do passado e felizmente quase toda duração do longa se concentra ali. Assim como no X-Men: primeira classe, histórias reais se misturam com a ficção e tudo fica ainda mais saboroso. Os problemas ficam por conta dos tempos presente ou futuro(!?) um excesso de personagens que só geram desperdício de bons mutantes e elenco, deixando tudo mal aproveitado. Outro grande problema não é propriamente do filme, mas sim da franquia. O confronto final resultou na morte de quase todo mundo, basicamente só o Wolverine sobreviveu naquele fim da trilogia, mas milagrosamente e sem qualquer explicação estão todos vivos nesse episodio. O solda final é bem positivo, apesar de gerar mais perguntas que respostas, talvez o melhor a fazer é continuar explorando o passado e assim garantir o futuro da franquia.

ads_wolverine11

Compartilhe ...Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on TumblrShare on Google+Email this to someone